domingo, maio 07, 2006

Carta anônima.

Suspiro tanto quando penso em você, chorar só choro às vezes, e é tão freqüente. Caminho mais devagar, certo que na próxima esquina, quem sabe. Não tenho tido muito tempo ultimamente mas penso tanto em você que na hora de dormir vezenquando até sorrio e fico passando a ponta do meu dedo no lóbulo da sua orelha e repito repito em voz baixa te amo tanto dorme com os anjos.

3 comentários:

Raisa disse...

justo hoje q tou à flor da pele... não deveria ter lido uma coisa dessas.

tá lindo.

Raisa disse...

ai... mas que textinho é este, hein? li ontem e senti uma coisa. li hoje e senti mais.

quando é que c vai deixar a preguiça de lado e terminar logo aquele livro, menino? vc é um escritor, charlie! sabe disso, né?

charlie disse...

não é preguiça, meu bem. é inspiração mesmo. sofro de falta de talento. eu já escrevi uns rabiscos depois daquele primeiro capítulo, mas guardo na gaveta, espero alguns meses e releio, não gosto, reescrevo, guardo. fico esperando o texto adquirir maturidade por si mesmo. é uma relação louca. e eu preciso ler mais, aprender mais... perspectivas... a idéia de escrever um livro me proporciona uma alegria difícil. mas chama-se alegria.